Loading...

Homem-Tigre



Eka Kurniawan

Última edição: 2018
Edição original: 2016
Elsinore

Sinopse

Pouco tempo depois de o cadáver de Anwar Sadat, um artista lascivo e preguiçoso, ser descoberto, Margio é detido pela polícia, havendo poucas dúvidas de que é ele o assassino. No entanto, o que terá levado o jovem e dócil Margio a afundar os dentes na garganta de um homem e perpetrar um crime tão hediondo permanece um mistério para todos os habitantes da pequena povoação. A verdade é que, no momento do ataque, Margio não estava em controlo das suas ações; nesse momento, um tigre fêmea branco tinha tomado posse do seu corpo.

Homem-Tigre é o retrato de duas famílias atormentadas, ligadas entre si por um casamento trágico e brutal, e de uma Indonésia rural e pobre a braços com um passado recente de abusos e violência, sedenta por justiça, onde o folclore e o mundo real colidem.

Era um rapaz que não gostava de ficar em casa, mas era bem comportado. Não era tolo o suficiente para desperdiçar o seu tempo em rixas e, durante o dia, fazia uns biscates e gastava o dinheiro ganho em cigarros e cerveja. Era temperamental, mas ainda assim doce. Todos sabiam que odiava o pai e achavam‑no capaz de acabar com ele, mas Margio nunca tentou nada assim. Não era, de todo, um arruaceiro. Quando Sadrah ouviu dizer que Margio havia matado um homem, nem conseguia acreditar. Chegou a casa e descobriu o pai a matar as galinhas. Komar não pediu ajuda a ninguém, prendendo as patas e as asas debaixo dos pés, uma mão a segurar a cabeça da pobre galinha, a outra a golpear com a faca da cozinha. Zás, zás, cortou‑lhes as cabeças, uma a uma, e lançou os restos mortais para a gaiola, as asas a bater para afastar o aperto da morte.

— O que está ele a tramar? — perguntou Margio a Mameh, sem que Komar o ouvisse.

— Está a planear uma refeição cerimonial para o sétimo dia de Marian.

Talvez tenha sido isso a trazer o tigre para o exterior. Margio não conseguia tolerar que o maldito velho fizesse algo de simpático pela rapariga morta que ignorara por completo enquanto fora viva. Margio acabara por acreditar que Komar tinha matado a mais nova, ou que, pelo menos, a deixara morrer intencionalmente. E, agora, o maldito Komar estava a planear uma cerimónia de sétimo dia. Apodrece no Inferno, pensou Margio. Decerto, a alma da bebé nada aceitaria daquele homem. Foi então que Mameh se apercebeu de um rosto avermelhado, espetral, aparentemente coberto de pelo, com um brilho amarelo nos olhos. Ouviu um rugido ecoante e viu uma sombra branca a dancar‑lhe nas pupilas. Quase gritou, antes de voltar a desaparecer, aninhado atrás da porta de uma gaiola que parecia ter ficado bem fechada. Margio havia‑o confinado, suprimira a sua selvajaria — (pp. 65)   

Comentários


Ainda não existem comentários para este livro.

Voltar

Área de utilizador

Top 10 de vendas

Novidades

Faça o login na sua conta do Portal